icone facebookTwitterInstagram

Florianópolis, 13 de março de 2018

A Diretoria de Vigilância Epidemiológica (DIVE) da Secretaria de Estado da Saúde (SES) e a Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc) realizam, no dia 28 de Março, o 1º Fórum Estadual da Coinfecção TB/HIV, com o objetivo de promover o debate sobre o panorama, a prevenção e o tratamento da coinfecção no território catarinense.Dirigido a profissionais da saúde, o evento será realizado das 13h às 17h, no Auditório Antonieta de Barros, na Alesc, em Florianópolis. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas por meio do link: http://formsus.datasus.gov.br/site/formulario.php?id_aplicacao=36806.

 A iniciativa para a realização do fórum partiu de reunião ocorrida entre a Gerência de Vigilância de Agravos Infecciosos, Emergentes e Ambientais (GEVRA) e diversos segmentos da sociedade.

O fórum reunirá autoridades federais e estaduais em saúde para debater o Plano Nacional pelo Fim da Tuberculose como problema de saúde pública, que foi lançado em Junho de 2017. O plano foi elaborado pelo Programa Nacional, com a colaboração de gestores, da academia e sociedade civil, com o objetivo de apoiar estados e municípios nas ações de controle da doença.

O plano está baseado em três pilares:

- Prevenção e cuidado integrado com foco no paciente, determinando melhorias no diagnóstico precoce, tratamento adequado e intensificação da prevenção.

- Políticas arrojadas e sistema de apoio.

- Intensificação da pesquisa e inovação.

Tuberculose

A tuberculose é uma doença infecciosa e transmissível causada por uma bactéria (Mycobacterium tuberculosae) que afeta principalmente os pulmões, mas também pode ocorrer em outras partes do corpo, como ossos, rins e meninges (membranas que envolvem o cérebro). A transmissão é aérea; ela não é transmitida pelo compartilhamento de roupas, lençóis, copos e outros objetos.

Ao falar, espirrar e, principalmente, ao tossir, as pessoas com tuberculose ativa lançam partículas no ar. O contato direto com o paciente em ambiente fechado, com pouca ventilação e ausência de luz solar, representa maior chance de infecção. Para prevenir a tuberculose, é importante: vacinar crianças menores de 4 anos de idade com a vacina BCG, tratar pessoas infectadas com maior risco de adoecer e efetuar medidas de controle de infecção.

Em adolescentes e adultos jovens, o principal sintoma é a tosse (por três semanas ou mais), associada ou não à febre (especialmente à tarde), além de suor intenso à noite, falta de apetite e emagrecimento. Em crianças menores de dez anos de idade, a febre moderada e persistente é a principal manifestação clínica. Também são comuns sintomas como irritabilidade, tosse, falta de apetite, perda de peso e suor intenso à noite. Na presença dos sinais e sintomas descritos, é importante procurar um serviço de saúde para avaliação.

Informações adicionais:

Patrícia Pozzo e Cristina Schulze

Núcleo de Comunicação

Diretoria de Vigilância Epidemiológica

Secretaria de Estado da Saúde

(48) 3664-7406

(48) 3664-7440

www.dive.sc.gov.br