icone facebookTwitterInstagram

A Maternidade Darcy Vargas, de Joinville, obteve durante essa semana o alvará geral, que engloba todos os alvarás sanitários necessários junto a entidades reguladoras. A conquista representa um avanço após onze anos de espera e é fruto de um árduo trabalho realizado na atual gestão para regularizar a situação das unidades próprias da Secretaria de Estado da Saúde (SES).

WhatsApp Image 2019-11-29 at 10.43.48.jpeg

Foto: Divulgação SES

A diretora da Maternidade, Vera Lúcia Freitas destaca que a conquista ocorreu por meio de um trabalho conjunto de toda a equipe de servidores e um amplo apoio da SES e Superitendência dos Hospitais Públicos (SUH). “Depois de 11 anos conquistamos o alvará geral, após muita luta de toda a nossa equipe de servidores, sempre engajados”, afirmou, “já havíamos conquistado o alvará para os setores, mas o geral não vinha desde 2008”.

Entre os itens pendentes para a obtenção do alvará estavam a validação de empresas responsáveis pelas autoclaves (o que foi possibilitado devido a uma nova política de controle adota pela SES), a criação de sistemas rotineiros de controle de dosímetros para profissionais de raios X, treinamento de equipe e adoção de medidas de segurança para servidores.

“Adotamos todos os critérios estipulados pela Vigilância, contamos com apoio da SES para adequação de áreas físicas e nossos servidores das coordenações passaram a fiscalizar as situações mais de perto”, disse a diretora Vera Lúcia. “Tudo isso foi possível graças ao trabalho de nossa equipe de servidores e da SUH que prioriza a qualidade no atendimento e melhores condições para servidores e pacientes”.

O secretário de Estado da Saúde, Helton de Souza Zeferino, elogiou o desempenho de servidores e da SUH e, ainda destacou que a definição de metas junto às unidades hospitalates é um mecanismo capaz de garantir conquistas que pareciam inatingíveis há uma década. “Uma demonstração de que ao se estabelecer prioridades e definir metas, é possível motivar a equipe para alcançar os objetivos. Quem ganha com isso são nossos pacientes que passam a ser atendidos em uma unidade hospitalar integralmente ajustada às normas sanitárias”, completou.