icone facebookTwitterInstagram

WhatsApp Image 2020 03 26 at 14.18.46

A pandemia de Covid-19 já está afetando a vida de milhares de pessoas em Santa Catarina e no mundo. O isolamento social determinado pelo Governo do Estado como forma de conter o avanço da transmissão do coronavírus é uma medida que vem sendo compreendida e apoiada pela população. Entretanto, com o passar dos dias, o “home office” pode trazer efeitos como ansiedade e irritação para muitas pessoas.

A Coordenadora de Saúde Mental da Secretaria de Estado da Saúde, a psiquiatra Caroline Galli Moreira preparou um guia onde propõe ações para o período de quarentena. As recomendações são direcionadas à população em geral, profissionais de saúde, líderes de equipes, cuidadores de crianças, idosos e pessoas que moram sozinhas.

Segundo Caroline, em meio ao isolamento causado pela pandemia do novo coronavirus muitas pessoas podem se sentir tristes, confusas e chateadas. Por isso, é preciso seguir algumas dicas para minimizar o sofrimento neste período.

“É preciso reduzir o tempo que a pessoa assiste notíciários. O fundamental é buscar fontes confiáveis. O repentino e quase constante fluxo de noticias, faz com que as pessoas sintam-se preocupadas em excesso. Se atente aos fatos e não aos rumores”, afirma. “Também é necessário adotar uma rotina mesmo ficando em casa. É importante se vestir, tomar banho, arrumar o cabelo mesmo que seja apenas para ficar em casa”.

Confira algumas recomendações


Adotar uma rotina mesmo ficando em casa.

Mantenha-se conectado.Faça contato com seus amigos, procure fazer videochamadas com a família, principalmente com aquelas pessoas que estão sozinhas.

Fale como está se sentindoConte como está se sentindo no confinamento e pergunte aos amigos e familiares quais os sentimentos deles neste momento.

Faça atividadesEnvolva-se com atividades que gosta, música, meditação, exercícios, leitura e gastronomia. Dedique-se a ações que não conseguria fazer no dia a dia comum.

“É importante lembrar sempre que mutas coisas não foram canceladas: a família, a música, o canto e riso”, conclui a psiquatra.


Acesse aqui o nosso Guia de Saúde Mental para lidar com o isolamento social