icone facebookTwitterInstagram

Santa Catarina receberá do Ministério da Saúde (MS) R$ 3.371.438,74 para ampliar oferta de cirurgias eletivas neste segundo semestre de 2019. A estratégia da Secretaria de Estado da Saúde (SES) é atender aqueles pacientes que tem mais tempo de espera por cirurgias em todas as especialidades.

 WhatsApp Image 2019-07-31 at 17.31.52.jpeg

Foto: Robson Valverde

O objetivo é atender as pessoas que mesmo tendo que fazer os procedimentos mais complexos, e que muitas vezes no momento do mutirão, os prestadores não atendem por serem mais demorados e onerosos, essas agora serão prioridade”, explica o Secretário de Estado da Saúde, Helton de Souza Zeferino.

Um exemplo é a ortopedia, que possui demanda muito grande. No ano de 2018, dos 51 mil procedimentos feitos no mutirão, 2.100 apenas foram desta especialidade. “Hoje há 2.500 pessoas que aguardam por cirurgias ortopédicas há pelo menos 8 anos. Tão logo elas realizem os procedimentos, outras áreas serão atendidas, como geral, ginecologia, otorrino, urologia, nefrologia”, informa o Secretário.

No primeiro semestre houve a disponibilidade de recursos do Ministério da Saúde (MS), na ordem de R$ 5 milhões para o Mutirão de Cirurgias Eletivas em Santa Catarina. Os prestadores de serviço se habilitaram para fazer os procedimentos, tiveram livre demanda para realizar as cirurgias baseadas num regramento de prêmios para os profissionais e instituições.

A especialidade com maior registro neste período foi a oftalmologia. De um total de 20 mil procedimentos, 16 mil foram desta especialidade. O mesmo se repetiu em 2018, quando 35 mil cirurgias oftalmológicas foram realizadas, de um total de 51 mil.

WhatsApp Image 2019-07-31 at 17.36.46.jpeg

Foto: Robson Valverde

Segundo o secretário Helton, o recurso que vem do MS é bem aquém do necessário. “Desde o primeiro semestre é um compromisso da Secretaria da Saúde aportar R$ 2,5 milhões mensais para as cirurgias eletivas. Isso perfaz, a cada semestre, R$ 15 milhões em conjunto com o MS”. Ainda complementa, “precisamos ter um olhar diferenciado para esses pacientes, pois eles precisam ter suas demandas de saúde atendidas”, finaliza.

Viabilizados por meio da Portaria 1.996, publicada no Diário Oficial da União na última segunda-feira, 29, os recursos federais serão disponibilizados por meio do Fundo de Ações Estratégicas e Compensação (FAEC), que fazem parte da estratégia de ampliação do acesso aos Procedimentos Cirúrgicos Eletivos no Sistema Único de Saúde (SUS), prorrogada até dezembro deste ano.