icone facebookTwitterInstagram

O secretário de Estado da Saúde, Helton de Souza Zeferino, participou esta semana de reunião ampliada envolvendo secretários de todos os estados e representantes do Ministério da Saúde (MS), em Brasília.

Imagem: Divulgação CONASS

Na quarta (05) e quinta-feira (06), foi realizada a Assembleia do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e a reunião da Comissão Intergestores Tripartite (CIT), que contou com a participação do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta e do secretário de Vigilância em Saúde (SVS), do MS, Wanderson Oliveira. Eles traçaram um panorama do enfrentamento diante de um possível surto do novo coronavírus no país.

O objetivo do encontro foi avaliar a forma com que as estruturas de saúde pública estão se preparando. “Debatemos as ações referentes a um possível surto do novo coronavírus. O MS nos apresentou um balanço da estratégia e das ações realizadas desde que foi constatada a proliferação do vírus na China”, destacou. “É muito importante destacar que não temos casos confirmados no Brasil até hoje e que apenas nove são considerados suspeitos até o momento”.

A rede de saúde pública vem sendo preparada para possíveis atendimentos, na opinião de Zeferino. “A rede está ciente dos critérios que devem ser observados na triagem, além dos protocolos e fluxos para encaminhamentos de materiais coletados para diagnóstico ou descarte dos casos que venham a ser considerados suspeitos”, afirmou o secretário. “Santa Catarina está se preparando por meio de parcerias com municípios e Ministério da Saúde. Isso demonstra que o SUS é um sistema fortalecido e estamos trabalhando sem pânico ou correria, mas sim, com muita seriedade para preparar nossos profissionais de saúde”.

De acordo com os dados do MS, atualizados diariamente, apenas um caso segue como suspeito no estado de Santa Catarina. Outros três já foram descartados.

Entre as medidas tomadas pelo Governo Federal e detalhadas aos secretários estaduais está o projeto de lei que impõe regras para quarentena em situação de emergência em saúde pública. A matéria foi aprovada pelo Senado Federal nesta quarta-feira (5), e segue para sanção do presidente da República, Jair Bolsonaro. A aprovação pela Câmara dos Deputados ocorreu no dia anterior, terça-feira (4), mesmo dia que o Ministério da Saúde enviou o texto ao Congresso Nacional.

O documento, aprovado em tempo recorde pelo legislativo, prevê ações como isolamento, quarentena e fechamento de portos, rodovias e aeroportos para entrada e saída do Brasil, em casos específicos que coloquem em risco a segurança em saúde dos que estão em território brasileiro.

A iniciativa foi proposta após a decisão do Governo Federal de repatriar os brasileiros que estão em Wuhan, na China, epicentro dos casos do novo coronavírus, que demonstraram intenção de retornar ao Brasil. A pasta elevou, por meio da Portaria nº 188, o nível de resposta para Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN), mesmo sem caso confirmado no Brasil. A decisão foi tomada pelo Grupo Executivo Interministerial de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional e Internacional (GEI-ESPII), coordenado pelo Ministério da Saúde, para viabilizar a busca dos brasileiros que estão na cidade de Wuhan, na China.

Antes de retornarem ao Brasil, os brasileiros que estão em Wuhan, na China, passarão por exames prévios para checagem das condições clínicas de viagem. Ao chegar no país, deverão permanecer em um período de quarentena.

Como é feito o exame

Para avaliar se é um caso de coronavírus, o profissional de saúde deverá coletar duas amostras respiratórias. Orienta-se a coleta de aspirado de nasofaringe (ANF) ou swabs combinado (nasal/oral) ou também amostra de secreção respiratória inferior (escarro ou lavado traqueal ou lavado bronca alveolar).

As amostras devem ser encaminhadas com urgência para o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) para o chamado exame de exclusão, em Florianópolis. O estado de Santa Catarina é capacitado para detectar os vírus respiratórios como o Influenza. Pelo protocolo adotado pelas organizações de saúde, caso apresente resultado negativo para esses exames, as amostras seguem para os laboratórios de referência para realização de análise de metagenômica, que identificará ou não o novo coronavírus.

Os laboratórios de referência nacional são: Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo, e Instituto Evandro Chagas (IEC), no Pará.

Acesse o link e fique por dentro de todas as atualizações sobre os casos suspeitos no Brasil e no mundo: http://plataforma.saude.gov.br/novocoronavirus/#2019-nCov-brazil