icone facebookTwitterInstagram

Florianópolis, 21 de outubro de 2015

O novo plano de reorganização das cirurgias eletivas da Secretaria de Estado da Saúde (SES), implantado em maio desse ano no Sul do Estado, elevou em 130% o número de procedimentos realizados na Região Carbonífera. Em cinco meses, até o final de outubro foram realizados 2.772 procedimentos de diversas especialidades - no mesmo período do ano passado foram registrados 1.180.

Segundo o secretário de Estado da Saúde, João Paulo Kleinübing, o objetivo do Estado é zerar as filas de cirurgia da Região Sul até o final deste ano. “A ideia é usar essa experiência em outras regiões do Estado no sentido de poder ampliar e fortalecer os mutirões de cirurgias, trabalhando em parceria com os municípios para acabar com as filas em toda Santa Catarina”, ressaltou Kleinübing.

Ivanete Calisto, residente em Balneário Rincão, foi uma das beneficiadas com a o mutirão das cirurgias na Região Carbonífera. A comerciante aguardava há três anos por uma cirurgia na bexiga. No início do mês de setembro, ela foi chamada para realizar o procedimento. “Da marcação da cirurgia para a realização do procedimento foi rápido. Estou me recuperando muito bem”, destacou Ivanete.

Atualmente, os pacientes esperam em média 10 dias para realizar um procedimento cirúrgico. “O que foi feito na região foi uma organização de cirurgias. Usamos a ferramenta de gestão de forma muito técnica, estabelecendo fluxos predeterminados, como seriam os encaminhamentos e quais os tipos de cirurgias que cada hospital faria”, explicou a gerente de Saúde da Secretaria de Desenvolvimento Regional de Criciúma, Lisiane Tuon.

As cirurgias de ortopedia, clínica geral, oftalmologia, angiologia, otorrino, proctologia, ginecologia e urologia estão sendo realizadas conforme a vocação de cada unidade hospitalar. Sete hospitais da região estão envolvidos no processo: São José (Criciúma), São Donato (Içara), São Marcos (Nova Veneza),  Nossa Senhora da Conceição (Urussanga),  São Roque (Morro da Fumaça),  Santa Otília (Orleans) e São Judas Tadeu (Meleiro).

Os hospitais na Região da Associação de Municípios da Região Carbonífera (Amrec) somam 600 leitos disponibilizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e que ainda podem ser explorados. O plano de reorganização começou a ser estudado em março, e entrou em operação efetivamente em maio deste ano. O objetivo é distribuir as cirurgias de média complexidade em seis hospitais do Sul, aumentando a sua produtividade, taxa de ocupação e, automaticamente, diminuindo as filas das cirurgias eletivas que se concentravam no Hospital São José, em Criciúma.

 

Veja como ficou divida as especialidades nos hospitais da região:

Hospital

Especialidades

Hospital São Donato de Içara

Ortopedia, geral, oftalmologia, otorrino e ginecologia.

Hospital São Marcos de Nova Veneza

Geral, otorrino, ortopedia, ginecologia, oftalmologia, proctologia e obstetrícia.

Hospital Nossa Senhora da Conceição de Urussanga

Ortopedia, otorrino, vasectomia e laqueadura.

Hospital de Caridade São Roque de Morro da Fumaça

Geral e otorrino.

Hospital Santa Otília de Orleans

Geral e ortopedia.

Hospital São Judas Tadeu de Meleiro

Geral, ortopedia e ginecologia.